Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006

Poesia da alma I - por Sofia Alcobia

Neste momento não faço outra coisa, senão olhar para tás, para um passado, que tento esquecer que já foi meu...

Dias e noites que tremi, que a ansiedade me transformava num medo incontrolável e talvez mesmo incontornável.

Já não sei o que esperas de mim, nem mesmo se existes... não sei porque fazes tudo isto.

Pensei que podia ser tudo através de ti, sem ter que me esconder em algo que já não aguento mais. Sei que estás algures por aí, sei o que querias de mim, mas eu não posso ser o que me pedem. Só quero ser eu mesma.

Se existes porque me fazes passar por tudo isto, porque não me deixas sorrir, viver...ou porque não me levas-te primeiro?!

Ando perdida por aí, com medo de pensar, de viver, mas principalmente de perder quem amo. Explica-me que sentimento é este, que não me deixa ir a lado nenhum?!!

Gostava de ser livre, mas nunca te desejei ver partir. Não sei que imagens hei-de guardar de ti, até porque olhando para elas, só vejo despedidas.

Preciso de ti, agora mais do que nunca.

Fiz algumas modificações, novas decorações. Associei várias coisas, encontrei verdades e nada de mentiras.

Quero atenção, talvez faça perguntas a mim mesma...sinto-me a correr sem parar, para obter respostas, mas já não aguento, sinto-me a rebentar...e encontro todas as portas a fecharem-se.

Sinto-me culpada, deixei que te tirassem de mim, sem lutar, mas estava confusa.

O Mundo é confuso, todos dizem que tudo continua...mas onde estás? dizem que com o tempo tudo acalma, então porque cada vez são mais as saudades?

Já não quero mais nada a não ser encontrar-te, quero-te aqui, sentir-te como se fosses real.

Tenho medo...mas fiquei sozinha, onde estás? Diz-me que isto não é real...

Sofremos sim, mas estávamos juntos e agora onde estás, quem me protege?.

Porque se tem que contar o tempo?

Cada passo que dou é à tua procura, deixa-me olhar-te mais uma vez. Dá-me aqule abraço que vindo de ti, não existia mais nada.

Porque não esperas-te por mim? estavas tão feliz!! e partis-te antes de eu chegar.

Eras tudo para mim e estou sozinha...

Sinto-me a morrer de dia para dia, pois sei que estás longe...mas eu só te quero encontrar.

Não me deixes aqui, sabes porquê? porque nada disto me diz algo se tu não estás....

Arracaram-te de mim sem palavras, no mais profundo, negro sentimento.

Não tenho mais nada a dizer...a não ser que prometo nunca esquecer-te (promessa inútil, quando bastava olharmos um para o outro e sabíamos tudo de nós!)

Sinto-me mal



Sofia Alcobia
publicado por simaofrancisco às 20:05
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. De quem partiu....

. Arquivo fotografico

. o silencio perdido

. o silencio

. o deserto das cidades

. Simplesmente para alguem

. simplesmente para alguem

. Simplesmente para alguem

. Encontro Nacional ACR- Vi...

. O que é a música?

.arquivos

. Agosto 2008

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Contacto

simaofrancisco@sapo.pt

.As minhas Fotos

http://fotos.sapo.pt/simaofrancisco
blogs SAPO